domingo, 9 de fevereiro de 2014

Expectativa

Amigos e amigas,

Há tempos a palavra que tenho mais escutado tem sido expectativa. Expectativa de um governo melhor, de que a seleção brasileira seja campeã, de que a inflação ceda, de bons resultados da companhia, entre outras.

Tirando a polêmica dos preços - que já nem aguento mais falar, nem escutar - tive todas as minhas expectativas frustradas nas minhas últimas idas aos restaurantes: pro bem e pro mal.

Recentemente voltei ao bar Stuzzi em um aniversário. A primeira vez que fui lá gostei muito da comida e esquevi aqui um post. Nesse retorno, fiquei impressionado como estava cheio e como o serviço estava ruim (e como que um serviço ruim pode atrair tanta gente!). Tomei um excelente negroni e comi um risoto bem gostoso, mas com uma demora e um atendente, que pela cara, não estava de fato querendo trabalhar. Tudo era pedido 3x para certificar que estava a caminho. Cheguei  a levantar para ir ao caixa pagar a conta de tanto solicitá-la.

Uma outra frustração foi a minha recém visita ao .Org: restaurante de comida orgânica. A dona muito simpática nos estimulou a pedir um prato thai, a base de curry verde. Infelizmente não tinha sabor. Haviam me falado muito bem, mas não atendeu as expectativas.

Agora, uma das maiores surpresas desses meus últimos dois meses foi a Pizzaria do Chico. Localizado em uma ladeira na Glória, em um verdadeiro boteco, sem ar condicionado e com um atendimento que funciona meio que no mau humor, mas produz pizzas com ingredientes extremamente frescos e ainda é oferecida uma combinação de sabores não trivial.

Mas, o mais interessante, é o equilíbrio dos sabores oferecidos: a pizza de gorgonzola, por exemplo, não possui concentrações de gorgonzola em um determinado ponto. O queijo é usado apenas como instrumento de tempero, sem desequilibrar o sabor como um todo. Tudo no capricho.

Sim, em relação a massa... A massa é fina. Já conversei com muitos paulistanos e cheguei a conclusão que massa de pizza é uma coisa como paixão de torcida por clube. Não vou entrar nesse mérito, mas posso dizer que a massa me agradou muito.

O único ponto ruim é o extremo calor. Mas, como o que impera na casa é a simplicidade, de sentar numa mesa de plástico, de dividir a pizza na próopria forma metálica, em um verdadeiro boteco transformado em pizzaria e onde a espera para sentar pode te deixar em pé uns 15 minutos em uma ladeira de acesso a Santa Teresa...

Essa pizza superou qualquer expectativa.

Beijos e abraços

Twitter/Instagram
@viverparacomer

Stuzzi
Rua Dias Ferreira, 48 - Leblon, RJ
Tel.: (21) 2274-4017


.Org
Avenida Olegário Maciel, 175 - Loja G - Barra, RJ
Tel.: (21) 2493-1791

Pizzaria do Chico
Rua Santa Cristina 63 - Glória, RJ
Tel.: (21) 2508-7180.

quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

O Lado A de Woody Allen e o Lado B

Amigos e amigas,

Eu nunca gostei muito dos filmes do Woddy Allen: mais por implicância do que por alguma razão objetiva. Acredito que a minha implicância seja pelo fato de Allen produzir filmes muito mais verborrágicos do que propriamente cinematográficos.

Mas é inegável que ele possui diversos filmes interessantíssimos. E, inclusive, ele também possui filmes cinematográficos, com linguagem e narrativa propriamente de cinema. "Meia Noite em Paris" utiliza as imagens das diversas "Paris" que já existiram - fácil quando uma cidade preserva a sua arquitetura histórica -, de modo que complementam visualmente a história genial, que lhe valeu o 'Oscar' de melhor roteiro original.

Ele tem diversas sacadas geniais: quando, ele próprio, por exemplo, interpreta um alucinado e fala para Jason Biggs em "Igual a tudo na Vida":

"Se alguém lhe der um conselho, não retruque... Diga 'Ahhh... que ótima idéia'. Depois faça o que achar melhor fazer"


Orientações para uma vida.

Ou então, em "Dirigindo No Escuro", quando após ser acometido por uma cegueira histérica passa a dirigir um filme completamente cego e acaba realizando uma película sem pé nem cabeça. No final, depois do filme dele ser um fracasso completo de bilheteria, ele resolve se mudar para a França pois lá os franceses o reconhecem como gênio e elegem o filme dele como uma verdadeira obra prima.

A maioria do público ri, mas, para mim, vejo tal desfecho como um ensinamento: 'escolha quem te valoriza'.

E Match Point? Todos sabemos que Allen é um fanático por Dostoievsky. Não há um filme que ele não o cite... Mas daí adaptar "Crime e Castigo" aos tempos atuais é mais que paixão e, sim, pretensão... E fazer o filme que ele fez é prova de maestria. A fria Londres não podia ser cenário cinematográfico melhor para uma adaptação moderna de Dostoievsky, que somado à trilha sonora compõem a tal 'falta' de linguagem cinematográfica que eu criticava no início desse post. Acho que esse filme deve ter sido mais difícil de ter sido concebido do que a adaptação que o Stanley Kubrick fez antes de morrer do livro de Arthur Schnintzler (aliás, alguém em SP já foi à exposição do Kubrick?).

Bom, mas o último filme de Woddy Allen em cartaz é Blue... Blue Jasmine.

Cate Blanchet é um show

Woody Allen retrata a decadência pessoal da esposa de um milionário de NYC que circula nas altas rodas dos Hamptons, durante o verão, e aproveita o seu network para dar desfalques a quem quer que ouse acreditar em seus investimentos. Com dívidas superiores aos ativos que possui, vive constituindo offshores e empresas em nome de terceiros (no caso, em nome de Jasmine, sua esposa) e, assim, mantém intacta a sua credibilidade, desenvolvendo tanto empreendimentos falidos, quanto aumentando o seu harém de amantes.

Jasmine, na verdade, se chama Jeanette, mas troca seu nome para estar mais adequado para circular no Upper East Side de Manhattan. Mas, em um ato de lucidez, ou de desespero, Jasmine confronta o marido e, a partir daí, se inicia o processo de decadência pessoal que provavelmente dará um 'Oscar' à excelente Cate Blanchet.

Eu conheço algumas cidades nos USA e, dentre as cidades americanas, a que eu mais gostei até hoje foi, sem dúvida, San Francisco. E é justamente para lá que Jasmine vai pra percorrer a sua via crucis pessoal até ser crucificada em praça pública. Interessantemente, Allen despreza as belas fotografias possíveis de serem obtidas em San Fran para adaptar corretamente a narrativa dramática de Jasmine: planos fechados, interiores escuros e tempo nublado é o que há para a protagonista desenvolver o seu colapso.

Okay, isso aqui é um blog de gastronomia. No entanto, se você acha que eu ia argumentar que a metáfora de Jasmine está associada a decadência da sociedade americana, baseada em futilidade e fraudes, acometendo os verdadeiros trabalhadores americanos, que poupam para abrir o seu próprio negócio, o fardo de manter a sociedade, você está enganado.

Mas a metáfora se aplica perfeitamente a essa tsunami de novos restaurantes que vem abrindo no RJ: "sem uma cozinha verdadeira, mas com muito rococó", que simplesmente não acrescenta. Tenho preferido não escrever sobre essas caríssimas decadências morais - embora eu acredite que os preços altos sejam um mal inevitável que deveria limitar a ida dos clientes, reduzindo a demanda; ou, alternativamente, provocar a abertura de novos restaurantes, aumentando a oferta, até o reequilibro dos preços em um patamar menor. Mas isso não está funcionando no RJ!

O hambúrguer de picanha: a minha escolha de sempre.

Como exemplo dessa derrocada de valores, li recentemente um texto em um blog, de um autor que desconheço, que me fez rir bastante. O texto é Almoço no Leblon Com muito humor, o autor destaca a falta de substância dos diversos estabelecimentos que nos cercam e a ausência de critério da 'manada' de consumidores enlouquecidos.

Mas nós não precisamos ir para San Francisco colapsar, como Jasmine fez. Ao sair do cinema, fui ao Bazzar Lado B pela primeira vez. Sem muita afetação, pude pensar e digerir Woody Allen com calma.

Aproveitei e pedi um excelente hamburguer de picanha, acompanhado de uma batatinha crocante. Mas o grande destaque foi, sem dúvida, o Croque Madamme, que eles servem por lá sob a alcunha de croque sinhá: duvido alguém dizer que existe algum melhor na França.

O croque sinhá

Essa ida ao Bazzar da Livraria da Travessa de Ipanema abriu uma via não só de lanche/refeição, como também de programa para o domingo à noite: cinema e resenha cinematográfica. O perigo é sair de lá com mais um livro do Dostoievsky ou do Samerset Maughan.

É... se você não concordou com que escrevi... Ou se você acha que eu deveria escrever sobre a cozinha molecular do Oro... você já sabe a minha resposta, né?

'Ahhh... que ótima idéia'.

Beijos e abraços,


Twitter/Instagram
@viverparacomer


Bazzar - Lado B
Rua Visconde Pirajá, 572 - Ipanema, RJ - ( 2˚ andar da Livraria Travessa)
Tel.: (21) 2249-4977.

quinta-feira, 10 de outubro de 2013

Festival de Curtas no RJ

Amigos e amigas,

Em homenagem ao Festival de Cinema do RJ, que termina hoje, resolvi fazer esse post com vários 'curtas'.

Tomada 1
Sábado passado eu fui ao, recém inaugurado, Paris 6, na Barra da Tijuca. Tenho um amigo que adora a matriz do grupo, localizado na rua Haddock Lobo, em SP. Já tive até recomendação de outras pessoas para ir na casa paulistana. No entanto, li há pouco tempo uma resenha no blog Boteco do JB sobre as 5 lendas de restaurantes de SP e ele estava .
Mas acabei indo na filial da Barra...
Um dos piores serviços que já presenciei: garçons desorganizados, comensais revoltados em suas mesas com o mau atendimento e comida sofrível. Acho que uma resenha completa sobre a casa há em um outro post do Boteco do JB de nome Paris 666. Coincidentemente, comi o risoto de cogumelo com azeite trufado, relatado nesse post... Tive a mesma impressão da autora sobre o prato: insosso.
#Corta!

Sem sabor: o maior pecado de um prato.

Tomada 2
#Ação!
Já há algum tempinho, fomos ao Lima Resto bar. Ótimo atendimento, excelentes drinks e comida bem gostosa. Não sou especialista em comida peruana, mas gostei de tudo que comi lá. Vale a pena conferir.


Drink a base de "coca"

Muito bom esse tal de cebiche

Tomada 3
#Ação!
Lapa Café, no centro, está mais para brasserie, vendendo a sua própria cerveja e possuindo uma extensa carta de cerveja, do que para um restaurante propriamente. No entanto, para a minha surpresa, comi um ribeye (no cardápio, está sob o codinome costela) sensacional. Fui pensando na cerveja e acabei sendo premiado pela carne.

Surpresa positiva no Lapa Café.

Tomada 4
Meninas, vocês me desculpem, mas o programa culinário do Rodrigo Hilbert é péssimo: roteiro, produção, iluminação, enfim, tudo!
#Corta!


Tomada 5
#Ação!
Em todo festival sempre tem um convidado especial de "fora": ICI Brasserie. Em minha última viagem a São Paulo, fui nessa nova casa. Pedi o prato mais simples possível: filet com fritas acompanhado do molho bérnaise. Show. Bebi a cerveja da casa, feita pela cervejaria Colorado, à base de mandioca. Na minha opinião, muito boa.  A casa fica no, relativamente novo, shopping de SP, JK Iguatemi. A decoração, também, muito bonita: achei tudo melhor do que, inclusive, a "irmã" mais velha - o ICI Bistrot - localizada em Higianópolis.



Cerveja da casa: feita de mandioca


Comida "de segurança" com qualidade



Tomada 6

Eu vi uma coisa em um restaurante a quilo no centro, que me marcou: uma comensal (sim, era mulher!) preparou um prato com arroz feijão e por cima do feijão colocou três sushis de salmão e dois de atum... Sem mais!
#Corta, pelo amor de Deus!


Gran Finale
#Ação!
Entre as aventuras e as desventuras gastronômicas dos últimos tempos, tenho tido cada vez mais prazer em cozinhar final de semana. Nada profissional, mas com muito prazer e, em muitas vezes, com mais sabor!

Especialidade chez moi: quiche.
Beijos e abraços,


Twitter/Instagram
@viverparacomer


Paris 6
Avenida Érico Veríssimo, 725 - Barra da Tijuca, RJ
Tel.: (21) 2494-7320.


Lima Restobar
Rua Visconde de Caravelas, 113 - Botafogo, RJ
Tel.: (21) 2527-2203

Lapa Café
Avenida Gomes Freire, 453/457 - Centro, RJ
Tel.: (21) 3971-6812.

ICI Brasserie
Avenida Juscelino Kubitschek, 2041/ Piso 3 - Itaim, SP
Shopping JK Iguatemi
Tel.: (11) 3078-1313.

domingo, 29 de setembro de 2013

Colorindo a sua vida ... Búzios

Amigos e amigas,

depois de praticamente 3 finais de semanas consecutivos indo à Búzios eu não posso deixar de fazer um post sobre a cidade que encantou a Brigitte Bardot.

Praia vazia e mata virgem: cada vez mais raro

É... Na verdade, tenho certeza que a Brigitte Bardot não visitaria Búzios nas atuais condições: extremamente explorada, muitas casas e pousadas e um trânsito infernal até chegar a cidade. Em média se está levando mais de 3 h meia para ir e voltar de Búzios. Teve uma das idas que cheguei a demorar 4 h e meia, devido a diversas obras na estrada e do excesso de carro.

Melhor pastel de camarão: Bar do Pescador

Mas o excesso de gente nesse balneário famoso todos os finais de semana trouxe uma urbanização e uma ampliação do centro comercial da cidade. Em termos de restaurantes, além dos restaus da rua das pedras/orla Bardot, há diversos 'polos' gastronômicos.

Cerveja de frente para o mar

O polo gastronômico de Manguinhos está cada vez mais estruturado. Diversos restaurantes já puseram o 'pé no mangue', como o Quadrucci, pizzarias e trattorias... Até asiático já tem por lá. É possível ver o por do Sol bebendo champagne no Anexo de Búzios, ou bebendo uma bela cerveja no célebre Bar dos Pescadores.

Aliás o Bar dos Pescadores está cada vez melhor, com um bom atendimento, ele serve um pastel de camarão sensacional. Além do pastel, há diversas opções... A moqueca pescador é divina.

Na última das viagens, fui em um restaurante em Geribá que não conhecia, mas que não é recente: Gisele. Localizado em uma casa bem agradável, juntamente na estrada principal, fui informado que a proprietária administrava o Bar dos Pescadores antes do incêndio que revitalizou todo o polo de Manguinhos.

Moqueca Pesacador: do Bar do Pescador

O cardápio é bem diverso, mas há também peixes e frutos do mar. Comi um pastel de queijo sensacional, e 'fomos' de moqueca de camarão - maravilhosa e era super bem servida. Vale muito a pena.

Uma outra dica é uma casa de empanadas, bem simples que serve uma empanada maravilhosa: "La Empanaderia". Fica na beira da rua principal, entre a entrada principal de Geribá (posto de gasolina) e o polo gastronômico de Manguinhos.  A massa é leve, e os recheios são divinos: milho, carne apimentada, camarão. Vale a pena provar essas iguarias 'hermanas' em solo buziano.

Sem dúvida, Búzios tem uma beleza inigualável. Só não sei se o crescimento desenfreado vai conseguir manter a beleza  natural que ela sempre teve. Nem sei se o excesso de gente e de carros manterá a áurea de cidade 'roots' de praia. Mas sempre volto de Búzios com um sentimento de prazer. Principalmente depois de almoçar alguma coisa bem gostosa! ;)


Beijos e abraços,

Twitter/Instagram
@viverparacomer


Bar dos Pescadores
Av. José Ribeiro Dantas, 2900 - Manguinhos - Búzios
Tel.: (22) 2623-6785.

Gisele
Av. José Ribeiro Dantas, 5100 - Bosque de Geribá - Búzios
Tel.: (22) 2623-1144.

La Empanaderia
Av. José Ribeiro Dantas, 3056 - Manguinhos - Búzios
Tel.: (22) 9825-8608.

terça-feira, 27 de agosto de 2013

Tragga, uma boa comida

Amigos e amigas,

há cerca de uns dois meses vi que havia inaugurado um restaurante especializado em carnes argentinas no complexo gastronômico de Botafogo: Tragga. Por fora, muito bonito, prova que o empresariado está investindo pesado nesta velha fronteira gastronômica.

Com todos esses elementos, resolvemos visitar a casa há mais ou menos 15 dias atrás.

Ficamos em uma mesa no segundo andar, em uma quina, bem difícil de ver o resto do restaurante. Só de existir essa mesa já mostra que a casa não está tão preocupada com o atendimento aos clientes.

"Encontros e desencontros" com o garçom: essa foi a tônica do almoço. Mas não vou falar mais sobre isso, pois a casa tem pouco tempo.

O que eu quero destacar é a comida, que foi divina.

Provolone derretido
com lascas de pimenta calabresa

Como entrada, provolone derretido, temperado com orégano e azeite, e uma empanada de carne com ovo e azeitona. O provolone estava sensacional.

Melhor que as entradas estava a carne: bife ancho muito saboroso, ao ponto. As meninas, que me acompanhavam, comeram um ojo de bife que também adoraram. Acompanharam a esse festa carnívora um arroz maluco "parrileiro", juntamente com fritas ao alho.

Bife Ancho saboroso

Há tempos eu não comia uma carne tão saborosa.

De sobremesa, pedi um uma panqueca com doce de leite: super bem servido, achei que não iria conseguir comer tudo. Mas o doce de leite estava tão viciante que acabei rapidamente.

Festival de dulce de leche

Se o serviço foi marcado por confusões, a comida superou todas as expectativas.


Beijos e abraços,

Twitter/Instagram
@viverparacomer

Tragga
Rua Capitão Salomão, 74 - Humaitá, RJ
Tel.: (21) 3507-2235.

quinta-feira, 8 de agosto de 2013

Garoa Paulistana

Amigos e amigas,

com ajuda do Papa, fugi do Rio de Janeiro em meio à semana da JMJ. Destino: SP.

Nessa minha rápida passada pela terra da garoa, posso dizer que nunca senti tanto frio. Mas, como ir a SP sempre nos proporciona atrativos gastronômicos, não pude deixar de aproveitar o passeio, que narro agora em pequenos tópicos.

Varanda Grill

Sem dúvida, essa é a churrascaria que eu mais gosto. Sempre acho um tempo para retornar a casa. E, como sempre, não desapontou: uma das melhores picanhas que já provei na minha vida. Acompanhou uma batata souflé e um arroz biro-biro - o maître, extremamente simpático, nos explicou que o biro biro paulista é equivalente ao arroz maluco carioca. Uma delícia. O Varanda Grill sempre ganha o melhor restaurante de carnes dos jurados da Vejinha SP.

Baccio di Latte

Saímos direto do restaurante para tomar um dos melhores sorvetes brasileiros (os donos insistem em dizer que não é sorvete, e sim gelato). Quem estiver em SP não pode deixar de provar os sabores oferecidos pelo Bacio di Latte. Figo, pistache e o próprio baccio di latte são os meus melhores.

Tentação no copo.

Delícias na vitrine.


Mercadinho Dalva e Dito

Bem próximo ao Baccio di Latte do Jardins, há o restaurante Dalva e Dito, que já comentei aqui. Não sou fã do restaurante, mas como tinha escutado que havia aberto um mercadinho lá, fui dar um confere. Não resisti e comprei, para fazer uma "merendinha noturna", um pão de calabresa. Adorei. Não é melhor que o pão da casa da Stravaganze, mas é muito bom.

Peixaria Bar e Venda

A noite fomos a um bar novo, localizado na Vila Madalena, que é uma peixaria (!?).

Bom, o serviço fluiu de ligeiramente arrogante ("se tiver mesa, tem lá do outro lado. Ma você tem que ir porque eu não sei") a bom. Tomamos umas boas caipirinhas e comemos bons pastéis de camarão.
Caipirinha de tangerina com pimenta e gengibre.

Com uma decoração lúdica, até porque é uma peixaria também, nos divertimos. Se você não tiver problemas com peixe, é possível que goste.

Subastor

Após sermos expulsos da Peixaria Bar e Venda, pois a casa fechou cedo, fomos ao Subastor (subsolo do bar Astor). O Astor tem filial aqui no RJ e a de SP, também localizada na Vila Madalena, é bem legal também.

Gin tônica: Hendricks com pepino.

O ambiente é meio jazzístico e é bom chegar cedo, pois forma uma grande fila na entrada. Bons drinks e boa comida, como usual. Destaque para a deliciosa combinação de gin hendricks com pepino: dá um sabor diferenciado.

Josephine

Após um belo passeio no Ibirapuera - sou fã do parque e, em especial, da praça do Porquinho - fomos ao restaurante Josephine da Vila Nova Conceição. O mix de bruschetas estavam gostosas e ponto.

Magret com risoto: não valeu!

Mas o meu prato decepcionou, assim como os pratos dos comensais que me acompanhavam. Serviço desleixado e clientes ligeiramente afetados fazem do lugar uma combinação perigosa. Com um cardápio enorme, o restaurante talvez seja mais adequado para lanches, ao invés de refeições propriamente.

Hamburgueria Nacional

Recentemente publiquei esse post sobre a Hamburgueria Nacional.

Como gostamos muito da nossa última experiência na casa, resolvemos fechar a viagem nos hambúrgueres da casa.

Vale comentar que eu nunca vi tanto carioca disfarçado de paulistano durante essa viagem.  Em uma grande mesa ao lado da nossa, um grupo se destacava com vestimentas, trejeitos e até com a forma clássica de falar do paulistano ("Então"). O que denunciou o grupo foi o sotaque, adicionado com um "volto amanhã pro Rio!" ao telefone.

Esse fenômeno é curioso e talvez mostre que, ao invés das antigas rixas, Rio de Janeiro e São Paulo estão se tornando cada vez mais cidades complementares, comungando de uma cultura cosmopolita própria. Ainda em formação, mas única e diferente de outros regionalismos brasileiros.
É... O serviço, dessa vez, atrapalhou.


Talvez seja por isso que tenhamos presenciado, na casa, um serviço tão ruim, que não se diferencia em nada do mal atendimento prestado por diversos restaurantes cariocas.


Apesar da batata frita e o milk shake estarem divinos, um hambúrguer 'ao ponto' veio quase 'bem passado' e outros dois, que foram pedidos também 'ao ponto', vieram totalmente 'mal passados' (nível steak tartare).
Regras são regras.


Ao solicitar para passar mais o hambúrguer que veio 'mal passado', a luta começou: "mas esse é o 'ao ponto' da casa". Após informar ao garçom, pela terceira vez, que queríamos que fosse levado o hambúrguer para a grelha novamente e torná-lo mais 'bem passado', o garçom se conformou. Levou, finalmente, para a grelha.

Não sem antes reafirmar, pela última vez: "ó...  Mas esse é o 'ao ponto' da casa".

Okay.

Já estávamos de volta ao Rio e não sabíamos.


Beijos e abraços,


Twitter/Instagram
@viverparacomer


Varanda Grill
Rua General Mena Barreto, 793 - Jardim Paulista, SP
Tel.: (11) 3887-8870


Baccio di Latte
Rua Oscar Freire, 136 - Cerqueira César, SP
Tel.: (11) 3662-2573


Dalva e Dito
Rua Padre João Manoel, 1.115 - Cerqueira César, SP
Tel.: (11) 3068-4444


Pexaria Bar e Venda
Rua Inácio Pereira da Rocha, 112 - Vila Madalena, SP
Tel.: (11) 2589-3963


Subastor
Rua Delfina, 163 - Vila Madalena, SP
Tel.: (11) 3815-1364


Hambugueria Nacional
Rua Leopoldo Couto de Magalhães Júnior, 882 - Itaim Bibi, SP
Tel.: (11) 3073-0428.

quarta-feira, 24 de julho de 2013

Um outro molho no Centro do RJ

Amigos e amigas,

em tempo de JMJ, de caos total no Centro do RJ, decidi visitar o Demi-Glace da rua do México.

A última vez que tinha ido no Demi-Glace tinha sido na sua nova filial da rua do Lavradio. Lembro que o maître da casa veio me perguntar o que eu tinha achado. Relatei que na matriz as porções eram bem mais servidas. Depois disso nunca mais voltei. Nem na matriz e nem na filial.

Fui totalmente certo que seria bem servido, pois a matriz nunca havia me decepcionado. A minha dúvida era se os peregrinos da JMJ teriam ocupados todas as mesas antes de eu chegar.

Para a minha sorte, havia bastante lugares.

A comida estava divina: um couvert de se satisfazer sem ter e necessidade de pedir um prato. Além de boa cesta de pães, uma pastinha de azeitona e uma salada caprese, de entradinha, deliciosa.

Pedi, como sempre peço na casa, frango crocante com risoto de funghi. Vem ainda uma saladinha.


O frango crocante do Demi-Glace é empanado sobre uma base de mostarda - o que dá um gosto bem especial.

O risoto, super bem servido, tem bastante sabor. Não segue fielmente a nenhuma receita italiana, mas acredito que agrada a grande maioria dos comensais.

Foi um ótimo almoço e em meio a balbúrdia que tomou conta do RJ, em especial ao Centro, vivi um momento agradável em um oásis.

Beijos e abraços,

  
Twitter/Instagram
@viverparacomer

Demi-Glace
Rua México, 168 - Centro, RJ
Tel.: (21) 2240-4255.

Quem sou eu

Minha foto
Olá, sou carioca e um grande apreciador de um bom prato. Com este intuito, tentarei escrever as minhas impressões sobre os restaurantes em que eu vier a comer - descrevendo qualidades e defeitos de cada um. Caso tenha o interesse de complementar as minhas opiniões, por favor, não deixe de contribuir. Restaurantes bons devem ser vangloriados, enquanto restaurantes ruins devem ser evitados. Não concorda? Então, vamos lá... Mãos ao garfo!