terça-feira, 27 de outubro de 2009

Hachiko - Rodízio de Japonês

Amigos e amigas,

um casal amigo do blog recentemente me pegou desprevinido e me perguntou qual restaurante japonês rodízio eu recomendaria. Bom, pensei alguns minutos e não tive dúvida: o primeiro nome que me veio na cabeça foi o Hachiko. O casal disse que queria um na Zona Sul e, assim, a explicação dele ser o primeiro a ser lembrado, perdeu o sentido de ser dada.

Sem dúvida nenhuma, quando um restaurante, japonês ou não, decide oferecer Rodízio, ou All You Can Eat, a casa perde em qualidade. Salvo algumas raras exceções, é claro, a perda de qualidade é mínima ou imperceptível. E o Hachiko é uma típica exceção!



Localizado em um segundo andar de um antigo sobrado do centro do Rio, ao lado do Fórum, o Hachiko já foi, no passado, uma das filiais do Tanaka. O espaço não é muito grande, mas ele comporta grupos grandes - mas deve ser feita uma reserva com antecedência, para prevenir. A equipe de garçons é muito atenciosa e simpática - o que complementa a qualidade da casa.



No tocante a comida, vale ressaltar que o rodízio da casa parece na verdade um grande teste de degustação de comida contemporânea. É, pois realmente não sei se no Japão é servido bolinho de pato empanado, mousse picante wasabi (raiz forte), carpacio de salmão, camarão no copinho com chutney de mamão e coentro. Enfim, uma diversidade de gostosuras que não se vê em restaurantes japoneses por aí. E isso é só a entrada, pois depois é distribuído as cartelas para ser selecionado os sushis/sashimis, etc.




Acredito que o único problema de se ir ao Hachiko é o tempo: tem que ir com bastante tempo para desfrutar de um almoço de sonhos! E, como sabemos, almoçar na cidade, em meio a um dia de trabalho, sem pressa, é quase uma dádiva de deuses do Olimpo!

A título de informação, pergunto, a vocês leitores, uma curiosidade histórica: o que quer dizer Hachiko?

Para quem não conhece a história vale a pena ler abaixo. Lembro do meu avô contando essa história, só não sabia que o nome do cão era Hachiko.

Aí vai:

"Hachiko era um cão da raça Akita que pertencia a um professor universitário, chamado Eizaburo Ueno, que morava em um subúrbio de Tokyo, perto da estação de Shibuya.

Todas as manhãs Hachiko acompanhava seu dono no percurso de casa à estação de trem, voltando no final da tarde para acompanhá-lo na volta para a casa.




No dia 21 de maio de 1925, Hachiko, que tinha tinha apenas um ano e meio, estava na estação como de costume esperando seu dono chegar no trem das 16 horas. Porém, naquele dia o Professor Ueno não voltou, porque tinha sorfrido um derrame fatal na Universidade.

Após a morte do Professor, seus parentes e amigos passaram a cuidar do cão, mas Hachiko continuava indo todos os dias à estação de Shibuya para esperar seu dono voltar do trabalho. Muitos anos se passaram e mesmo com dificuldades para andar em decorrência de problemas de saúde, Hachiko mantinha sua rotina diária à estação. Sua vigília durou até o dia 7 de Março de 1934, quando já com 11 anos e 4 meses foi
encontrado morto no mesmo lugar onde esperou pelo seu dono por tantos anos.

A memória de Hachiko foi imortalizada em uma pequena estátua de bronze colocada na estação de Shibuya, local onde ele morreu.
"

Depois dessa história, fica dada a fiel dica. Hachiko!

Beijos e abraços,

ps.: O blog Viver Para Comer completou 1 ano recentemente! Obrigado a todos que comentam, opinam e, principalmente, obrigado por se importarem em lê-lo. Como alguns poucos já sabem, o Viver para Comer está no twitter @viverparacomer.



Hachiko
Travesso do Paço 10, Sobrado - Centro. (Tel.: 2210-1950)

6 comentários:

Francisco disse...

Boa Ossão!!

Gostei do conto do hashiko...

abs

Gustavo Birenbaum disse...

Fala Henrique,
Como te falei na semana passada, se você estiver por Nova Iorque, não deixe de conhecer o Capsouto Frères (irmãos Capsouto em português). Fica em TriBeCa, mais exatamente na Washington Street, 451. É um bistrô amplo, situado às margens do rio, em um imóvel que um dia foi um armazém. Quer dizer: espaço não falta. A comida é fantástica (mais francesa), a carta de vinhos variadíssima (há vinhos israelenses interessantes), e as sobremesas são um caso a parte (tem nego que vai lá só pra comer o souflê). Sempre um dos 3 irmãos (Jako, Samy ou Albert) está lá marcando presença e controlando a qualidade de tudo. O ambiente é altamente familiar. Experiência imperdível.

Silvia disse...

Henrique, essa alenda virou filme recentemente, estrelado pelo Richard Gere, sabia? O título original é "Hachiko: a Dog's Story".

Quanto ao rodízio, ali perto da Praça São Salvador, no Flamengo, tem um bem aceitável, com um shimeji na manteiga dos Deuses.

Henrique Cesar Tupper disse...

Oi Silvia, você sabe dizer qual é o nome desse japonês?

Maria Fernanda disse...

Henrique, vc sabe oq diz! Sem dúvida o Hachiko é o melhor Japa q eu já fui...

diogo disse...

Fala Henrique ! Acho q conheço esse casal...rs

Esse restaurante da São Salvador deve ser o Sushimar. Recomendo ! Já fui algumas vezes e o peixe é ótimo, além do ambiente ser bem aconchegante ! Aliás, o Sushimar é uma rede e tem em outras bairros do Rio.

Agora, tem um japa bem tradicionalzão na Barão do Flamengo. A diferença pro Sushimar é o serviço: os sashimis e sushis ficam no balcão pra vc pegar. Ah, e a cada dez rodízios um sai de graça.

Vale conferir os dois!

Abc

Quem sou eu

Minha foto
Olá, sou carioca e um grande apreciador de um bom prato. Com este intuito, tentarei escrever as minhas impressões sobre os restaurantes em que eu vier a comer - descrevendo qualidades e defeitos de cada um. Caso tenha o interesse de complementar as minhas opiniões, por favor, não deixe de contribuir. Restaurantes bons devem ser vangloriados, enquanto restaurantes ruins devem ser evitados. Não concorda? Então, vamos lá... Mãos ao garfo!